Compartilhe:

Balancetes e Relatórios



20/11/2013


1.Considerações Iniciais



O balancete é uma ferramenta, normalmente de uso interno da contabilidade, que
tem como principal função a verificação dos saldos das contas e serve de ponto
de partida para as conciliações e, após efetuados os ajustes, é a base para
elaboração das demonstrações contábeis.

Atualmente, nas empresas em que a maioria dos registros contábeis é feita de
forma descentralizada, o balancete de verificação passa a ser o primeiro contato que o setor de contabilidade tem
com a movimentação do mês.

A elaboração do balancete contábil não enseja grande dificuldade. Os softwares
de contabilidade trazem modelos formatados em mais de uma versão de
apresentação, que acabam sendo utilizados automaticamente.

É importante observarmos que, embora o balancete seja de domínio geral dos
contabilistas, para profissionais de outros setores da empresa ou para
empresários e administradores clientes de escritórios de contabilidade, que
também necessitam de informações, sua configuração chega a ser incompreensível.
Daí existirem conflitos em que de um lado cada setor reclama a elaboração de
relatórios específicos mais adequados às suas necessidades e, do outro, o
contabilista que, diante da inviabilidade de elaborar um determinado número de
relatórios, tenta padronizar modelos que atendam a usuários com interesses
diversos.

Os relatórios destinados aos demais setores de uma mesma empresa ou para
clientes de escritórios de contabilidade devem ter uma linguagem mais
simplificada e proporcionar uma leitura ágil. Essa tarefa requer domínio da
técnica contábil e, também, compreensão das dificuldades e necessidades do
usuário da informação. Nessa hora, o contabilista deve usar seu bom senso e ser criativo. Também é verdade que,
em grandes empresas, esses modelos já estão definidos e formatados, muitas
vezes cabendo ao pessoal da contabilidade apenas “preencher formulários”. Mas
isso não deve ser um inibidor da capacidade do profissional para melhorar a
qualidade da informação que ele pode reportar. Sempre que possível, sugestões
de aprimoramento dos modelos existentes devem ser apresentadas.

Neste texto, observaremos os procedimentos constantes da Norma ITG 2000 -
Escrituração Contábil, aprovada pela Resolução CFC nº 1.330/11, e
faremos alguns exercícios de transformação da informação contábil em informação
destinada a leigos.

2.Modelos de Balancetes



A Escrituração Contábil e a emissão de relatórios, peças, análises,
demonstrativos e demonstrações contábeis são de atribuição e de
responsabilidade exclusivas do profissional de contabilidade legalmente
habilitado.

Comercial Vende Tudo Ltda. CNPJ XX.XXX.XXX/0001-XX

Balancete de Verificação de 01/01/2X13 a
31/03/2X13

Contas

Saldos 31/03/2X13

Devedores

Credores

R$

R$

ATIVO





CIRCULANTE





Disponível





Caixa

1.000,00



Bancos Conta Movimento





Banco do Brasil S.A.

25.000,00



Caixa Econômica Federal

10.500,00



Clientes

150.000,00



(-) Duplicatas Descontadas



10.500,00

(-) Provisão para Devedores Duvidosos



12.500,00

Estoques





Mercadorias para Revenda

125.000,00



Almoxarifado

4.500,00



Adiantamentos a Fornecedores

5.400,00



Importações em Andamento

7.500,00



Outros Créditos





Tributos a Recuperar

5.250,00



Adiantamentos a Funcionários

4.600,00



Despesas Antecipadas





Seguros a Apropriar

2.400,00



Assinatura de Livros, Jornais e Revistas a Apropriar

1.600,00



NÃO CIRCULANTE





Realizável a Longo Prazo





Conta Corrente com Sócios

10.500,00



Imposto de Renda Diferido

3.100,00



Investimentos





Participações Societárias Avaliadas pelo Custo de Aquisição

4.200,00



Participações Societárias Avaliadas pelo MEP

22.500,00



Imobilizado





Veículos

50.000,00



Móveis e Utensílios

45.000,00



Instalações

35.000,00



Computadores e Periféricos

38.000,00



Softwares

15.200,00



Edificações e Benfeitorias

235.000,00



Terrenos

125.000,00



Direito de Uso de Marcas e Patentes

35.000,00



(-) Depreciação/Amortização Acumulada





Veículos



27.500,00

Móveis e Utensílios



15.750,00

Instalações



12.250,00

Computadores e Periféricos



13.300,00

Softwares



10.320,00

Edificações e Benfeitorias



35.250,00

Diferido





Despesas Pré-Operacionais

112.000,00



(-) Amortização Acumulada de Despesas Pré-Operacionais



86.751,00

PASSIVO





CIRCULANTE





Fornecedores Nacionais



98.557,00

Fornecedores Estrangeiros



45.300,00

Contas a Pagar



11.920,00

Empréstimos e Financiamentos



43.100,00

Tributos a Pagar



25.800,00

Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias



35.400,00

NÃO CIRCULANTE





Empréstimos e Financiamentos



164.300,00

Provisão para o Imposto de Renda



20.300,00

PATRIMÔNIO LÍQUIDO





Capital Social



250.000,00

Reservas de Capital



95.000,00

Reservas de Lucros



70.000,00

Prejuízos Acumulados

25.000,00



CONTAS DE RESULTADO - RECEITAS





Receita Bruta de Vendas de Mercadorias



1.250.000,00

(-) Devoluções e Cancelamentos

3.560,00



(-) Impostos e Contribuições sobre Vendas





ICMS

225.000,00



PIS/PASEP

20.566,26



COFINS

94.729,44



RECEITAS FINANCEIRAS





Variações Cambiais Ativas



5.200,00

Juros Ativos



7.555,00

CONTAS DE RESULTADO - DESPESAS





Custo das Mercadorias Vendidas

528.622,00



DESPESAS COM VENDAS





Comissões

75.000,00



Telefone

10.500,00



Depreciação e Amortização

32.500,00



Aluguel e Arrendamento

15.000,00



Gastos com Pessoal

35.478,00



Propaganda e Marketing

25.275,00



Serviços de Terceiros

14.505,00



Devedores Duvidosos

7.500,00



Combustíveis

7.000,00



Manutenção de Veículos

1.500,00



Viagens e Estadias

9.850,00



DESPESAS ADMINISTRATIVAS





Honorários da Diretoria

70.500,00



Gastos com Pessoal

40.400,00



Aluguel

4.000,00



Depreciação/Amortização

10.127,00



Água/Luz/Telefone

1.823,00



Manutenção de Veículos

840,00



Viagens e Estadias

1.560,00



DESPESAS FINANCEIRAS





Juros Passivos

5.465,00



Descontos Concedidos

665,00



Variações Cambiais Passivas

1.257,00



PROVISÃO PARA O IRPJ/CSLL





Provisão para o IRPJ

3.322,55



Provisão para a CSLL

1.757,90



TOTAL

2.346.553,00

2.346.553,00



Os balancetes mensais também podem trazer o saldo anterior, a movimentação do
mês e saldo atual, conforme exemplo resumido a seguir.

Comercial Vende Tudo Ltda. CNPJ XX.XXX.XXX/0001-XX

Balancete de Verificação de 01/03 a
31/03/2X13

Contas

Saldo em 28/02/2X13

Movimentação do mês

Saldo em 31/03/2X13

Devedor

Credor

Débitos

Créditos

Devedor

Credor

ATIVO













CIRCULANTE













Disponível

23.218,00



268.750,00

255.468,00

36.500,00



Duplicatas a Receber de Clientes

100.750,00



302.500,00

276.250,00

127.000,00



Estoques

101.800,00



172.755,00

132.155,00

142.400,00



Outros Créditos

7.388,00



48.817,00

46.355,00

9.850,00



Despesas Antecipadas

3.000,00



2.000,00

1.000,00

4.000,00



Não Circulante













Realizável a Longo Prazo

10.200,00



3.400,00



13.600,00



Investimentos

26.700,00







26.700,00



Imobilizado













Custo de Aquisição

578.200,00







578.200,00



(-) Depreciação/Amortização Acumulada



68.737,00



45.633,00



114.370,00

Diferido













Despesas Pré-Operacionais

112.000,00







112.000,00



(-) Amortização Acumulada



84.884,00



1.867,00



86.751,00

TOTAL DO ATIVO

963.256,00

153.621,00

798.222,00

758.728,00

1.050.250,00

201.121,00

PASSIVO













Circulante













Fornecedores



127.893,00

198.147,00

214.111,00



143.857,00

Contas a Pagar



8.940,00

8.940,00

11.920,00



11.920,00

Empréstimos e Financiamentos



32.325,00

2.900,00

13.675,00



43.100,00

Tributos a Pagar



19.350,00

64.331,00

70.781,00



25.800,00

Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias



30.550,00

30.550,00

35.400,00



35.400,00

Não Circulante













Empréstimos e Financiamentos



160.000,00



4.300,00



164.300,00

Provisão para o Imposto de Renda



15.225,00



5.075,00



20.300,00

Patrimônio Líquido













Capital Social



250.000,00







250.000,00

Reservas de Capital



95.000,00







95.000,00

Reservas de Lucros



45.000,00







45.000,00

Prejuízos Acumulados

25.000,00







25.000,00



TOTAL DO PASSIVO

25.000,00

784.283,00

304.868,00

355.262,00

25.000,00

834.677,00

RECEITAS













Receita Bruta de Vendas de Mercadorias



937.500,00



312.500,00



1.250.000,00

(-) Devoluções e Cancelamentos

2.670,00



890,00



3.560,00



(-) Impostos e Contribuições sobre Vendas

255.221,77



85.073,92



340.295,70



Receitas Financeiras



9.566,00



3.189,00



12.755,00

Total de Receitas

257.881,77

947.066,00

85.963,92

315.689,00

343.855,70

1.262.755,00

DESPESAS













Custo das Mercadorias Vendidas

396.466,00



132.156,00



528.622,00



Despesas com Vendas

175.580,00



58.528,00



234.108,00



Despesas Administrativas

96.938,00



32.312,00



129.250,00



Despesas Financeiras

5.540,00



1.847,00



7.387,00



Provisão para o IRPJ/CSLL

3.713,83



1.237,61



5.080,45



Total de Despesas

678.237,83

-

226.080,61

-

904.447,45

-

TOTAL GERAL

1.924.375,50

1.884.970,00

1.415.134,50

1.429.679,00

2.323.533,10

2.298.553,00



O modelo de balancete apresentado contém todas as informações exigidas, mas tem
poder informativo apenas para a contabilidade. Para os demais setores da
empresa ou para clientes de escritórios de contabilidade ou, ainda, para
finalidade externa, o balancete elaborado não representa uma fonte de
informações claras e precisas em razão da falta de compreensão da linguagem
técnica contábil.

Portanto, o contador deverá trabalhar as informações de forma mais adequada às
suas finalidades.

3.Relatórios



A elaboração de balancetes para outros setores da empresa, e até para
finalidades externas, deve observar, atentamente, as necessidades de informação
de cada usuário, para que não sejam verificados escassez ou excesso de
informações.

Em alguns casos, os saldos mensais acumulados não representam a informação
principal, dando-se maior atenção à movimentação do período.

Também deve ser observada a necessidade de correlação entre saldos ou
movimentações, até mesmo a inclusão de análises específicas por meio das quais
seja possível tirar conclusões sobre a evolução de despesas, de receitas,
endividamento, rentabilidade, etc.

3.1.Relatórios por área de
responsabilidade



Dependendo do organograma da empresa e das respectivas distribuições de áreas
de responsabilidades, setores específicos não necessitam receber informações
dos demais setores sobre os quais não têm ascensão e, portanto, não podem
interferir nas decisões.

Por exemplo, o setor comercial não controla os gastos administrativos, logo o
interesse da diretoria comercial está voltado para as receitas de vendas, os
custos das mercadorias vendidas e as despesas comerciais.

Já a diretoria administrativa poderá receber tão somente relatórios sobre os
gastos pertinentes à sua área.

Os saldos e movimentações das disponibilidades das contas a pagar, das contas a
receber, das receitas e despesas financeiras normalmente são de
responsabilidade da diretoria financeira.

Por sua vez, a diretoria-geral (presidência) recebe informações de todos os
setores da empresa, mas de forma condensada (macro). Esses relatórios devem ser
bastante claros e resumidos, pois devemos lembrar que diretores normalmente
dispõem de pouco tempo.

Empresas mais bem estruturadas utilizam relatórios por centros de custos para
gerarem essas informações automaticamente, havendo, inclusive, a identificação
de gastos, receitas e recursos disponíveis por gerência.

3.1.1.Exemplos



Vejamos a seguir um balancete que mostra apenas aquelas contas que entendemos
ser de interesse da área comercial.

Relatório - Receitas/Custos/Despesas de Vendas

Receitas/Despesas

Saldo em 28/02/2X13

Movimentação março/2X13

Saldo em 31/03/2X13

Devedor

Credor

Débitos

Créditos

Devedor

Credor

RECEITA DE VENDAS



937.500,00



312.500,00



1.250.000,00

(-) Deduções da Receita Bruta













Devoluções e Abatimentos

2.670,00



890,00



3.560,00



Impostos e Contribuições s/ Vendas













ICMS

168.750,00



56.250,00



225.000,00



PIS/PASEP

15.424,69



5.141,56



20.566,26



COFINS

71.047,08



23.682,36



94.729,44



(-) Custo das Mercadorias Vendidas

396.466,00



132.156,00



528.622,00



DESPESAS COMERCIAIS













Comissões

53.250,00



21.750,00



75.000,00



Telefone

6.800,00



3.700,00



10.500,00



Depreciação e Amortização

28.437,00



4.063,00



32.500,00



Aluguel e Arrendamento

12.100,00



2.900,00



15.000,00



Gastos com Pessoal

28.678,00



6.800,00



35.478,00



Propaganda e Marketing

19.175,00



6.100,00



25.275,00



Serviços de Terceiros

12.405,00



2.100,00



14.505,00



Devedores Duvidosos

3.600,00



3.900,00



7.500,00



Combustíveis

5.050,00



1.950,00



7.000,00



Manutenção de Veículos

590,00



910,00



1.500,00



Viagens e Estadias

5.495,00



4.355,00



9.850,00





Conforme já dissemos, o formato contábil não é o mais adequado para a leitura
das informações pelo pessoal da área comercial. Vejamos essas mesmas
informações dispostas de forma diferente.

No formato da DRE, com análise vertical:

Receitas e Despesas

Março/2X13

%

Janeiro a março/2X13

%

RECEITA DE VENDAS

312.500,00

137,94%

1.250.000,00

137,94%

(-) Deduções da Receita Bruta



0%



0%

Devoluções e Abatimentos

(890,00)

0,39%

(3.560,00)

0,39%

Impostos e Contribuições s/ Vendas



0%



0%

ICMS

(56.250,00)

-24,83%

(225.000,00)

-24,83%

PIS/PASEP

(5.141,56)

-2,27%

(20.566,26)

-2,27%

COFINS

(23.682,36)

-10,45%

(94.729,44)

-10,45%

= RECEITA LÍQUIDA

226.536,08

100%

906.144,40

100%

(-) Custo das Mercadorias Vendidas

(132.156,00)

-58,33%

(528.622,00)

-58,33%

= LUCRO BRUTO

94.380,10

41,66%

377.522,40

41,66%

(-) Despesas Comerciais



0%



0%

Comissões

(21.750,00)

-9,60%

(75.000,00)

-8,27%

Telefone

(3.700,00)

-1,63%

(10.500,00)

-1,15%

Depreciação e Amortização

(4.063,00)

-1,79%

(32.500,00)

-3,58%

Aluguel e Arrendamento

(2.900,00)

-1,28%

(15.000,00)

-1,65%

Gastos com Pessoal

(6.800,00)

-3%

(35.478,00)

-3,91%

Propaganda e Marketing

(6.100,00)

-2,69%

(25.275,00)

-2,78%

Serviços de Terceiros

(2.100,00)

-0,92%

(14.505,00)

-1,60%

Devedores Duvidosos

(3.900,00)

-1,72%

(7.500,00)

-0,82%

Combustíveis

(1.950,00)

-0,86%

(7.000,00)

-0,77%

Manutenção de Veículos

(910,00)

-0,40%

(1.500,00)

-0,16%

Viagens e Estadias

(4.355,00)

-1,92%

(9.850,00)

-1,08%



(58.528,00)

-25,83%

(234.108,00)

-25,83%

= RESULTADO COM VENDAS

35.852,08

15,83%

143.414,40

15,83%



Observe que a análise vertical consiste em dividir todos os valores de receitas
e de despesas pelo valor da receita líquida, obtendo-se uma relação percentual
de cada item em relação a essa receita.

No formato de relatório comparativo:

a)com períodos anteriores:

Receitas/Despesas

Períodos

Variação

Fevereiro/2X13

Março/2X12

Março/2X13

Em relação ao mês anterior

Em relação ao mesmo mês do ano anterior

RECEITA DE VENDAS

278.875,00

248.812,50

312.500,00

12,06%

25,60%

Devoluções e Abatimentos

(1.042,10)

(832,55)

(890,00)

-14,60%

6,90%

ICMS

(50.197,50)

(44.786,25)

(56.250,00)

12,06%

25,60%

PIS/PASEP

(4.584,24)

(4.091,67)

(5.141,56)

12,15%

25,65%

COFINS

(21.115,30)

(18.846,48)

(23.682,36)

12,15%

25,65%

= RECEITA LÍQUIDA

201.935,86

180.255,55

226.536,08

12,18%

25,67%

(-) Custo das Mercadorias Vendidas

(116.868,84)

(104.689,02)

(132.156,00)

13,08%

26,24%

= LUCRO BRUTO

85.067,02

75.566,53

94.380,08

10,94%

24,89%

(-) Despesas Comerciais











Comissões

(20.107,50)

(17.666,25)

(21.750,00)

8,17%

23,12%

Telefone

(2.543,00)

(2.566,50)

(3.700,00)

45,50%

44,17%

Depreciação e Amortização

(4.063,00)

(3.453,55)

(4.063,00)

0,00%

17,65%

Aluguel e Arrendamento

(2.900,00)

(2.465,00)

(2.900,00)

0,00%

17,65%

Gastos com Pessoal

(6.802,00)

(5.781,00)

(6.800,00)

-0,03%

17,63%

Propaganda e Marketing

(4.679,00)

(4.474,50)

(6.100,00)

30,37%

36,33%

Serviços de Terceiros

(1.119,00)

(1.294,50)

(2.100,00)

87,67%

62,22%

Devedores Duvidosos

(2.100,00)

(2.415,00)

(3.900,00)

85,71%

61,49%

Combustíveis

(1.700,00)

(1.532,50)

(1.950,00)

14,71%

27,24%

Manutenção de Veículos

(609,90)

(623,45)

(910,00)

49,20%

45,96%

Viagens e Estadias

(1.550,00)

(2.299,25)

(4.355,00)

180,97%

89,41%



(48.173,40)

(44.571,50)

(58.528,00)

21,49%

31,31%

= RESULTADO COM VENDAS

36.893,62

30.995,03

35.852,08

-2,82%

15,67%



b)com orçamento:

Despesas/receitas

De Janeiro a Março/2013

Real

Orçado

Variação

RECEITA DE VENDAS

1.250.000,00

1.362.500,00

-8,26%

(-) Deduções da Receita Bruta



-



Devoluções e Abatimentos

(3.560,00)

(3.880,40)

-8,26%

Impostos e Contribuições s/ Vendas



-



ICMS

(225.000,00)

(245.250,00)

-8,26%

PIS/PASEP

(20.566,26)

(22.481,25)

-8,52%

COFINS

(94.729,44)

(102.000,00)

-7,12%

= Receita Líquida

906.144,40

988.888,35

-8,36%

(-) Custo das Mercadorias Vendidas

(528.622,00)

(533.908,22)

-0,99%

= LUCRO BRUTO

377.522,40

454.980,13

-17,02%

(-) Despesas Comerciais







Comissões

(75.000,00)

(72.500,00)

3,45%

Telefone

(10.500,00)

(9.935,00)

5,69%

Depreciação e Amortização

(32.500,00)

(32.600,00)

-0,31%

Aluguel e Arrendamento

(15.000,00)

(15.000,00)

0,00%

Gastos com Pessoal

(35.478,00)

(34.163,66)

3,85%

Propaganda e Marketing

(25.275,00)

(24.266,75)

4,15%

Serviços de Terceiros

(14.505,00)

(13.819,85)

4,96%

Devedores Duvidosos

(7.500,00)

(3.750,00)

100,00%

Combustíveis

(7.000,00)

(6.540,00)

7,03%

Manutenção de Veículos

(1.500,00)

(1.205,00)

24,48%

Viagens e Estadias

(9.850,00)

(9.304,50)

5,86%



(234.108,00)

(223.084,76)

4,94%

= RESULTADO COM VENDAS

143.414,40

231.895,37

-38,15%



Em cada um dos relatórios nos é possível fazer observações sobre as vendas e
respectivas despesas necessárias para obtê-las. O detalhamento dessas
informações deve ser feito de acordo com os principais desequilíbrios.

Por meio desses relatórios, podemos observar, entre outros aspectos, que:

a)algumas despesas de vendas atingiram nível superior à evolução das receitas;

b)o CMV manteve-se proporcionalmente estável em relação às receitas;

c)o nível de devoluções é decrescente;

d)as receitas não atingiram a meta orçamentária;

e)os itens propaganda e marketing e devedores duvidosos tiveram uma elevação
superior à esperada.

f)os gastos com pessoal e a despesa de depreciação mantiveram-se, praticamente,
inalteradas e, ainda, estão dentro das previsões orçamentárias, o que significa
que não foram feitos e, de fato, não estavam previstos novos investimentos de
capital para suportar a expansão de vendas.

Isso pode significar que houve um maior esforço de vendas, revelado por maior
investimento publicitário. No entanto, além de não ter sido atingida a meta
orçamentária, houve um volume de inadimplência maior do que era esperado.

Os gestores de vendas, diante dos dados obtidos, poderão analisar mais profundamente
os fatos e identificar os motivos de as metas não serem atingidas e tomarem
providências cabíveis, tais como:

a)reavaliar a política de concessão de crédito, em trabalho conjunto com o
setor financeiro;

b)identificar quais campanhas publicitárias não alcançaram o retorno desejado e
avaliar as condições para o redirecionamento de novas campanhas;

c)avaliar as condições de atendimento da nova demanda suportada pelo pessoal de
vendas e, também, pelas instalações e demais equipamentos existentes.

Aspectos sobre a conjuntura econômica também devem ser levados em consideração,
como, por exemplo, aumento do desemprego e elevação de taxas de juros que podem
provocar elevação de inadimplência.

Em época de retração econômica, o maior investimento em publicidade é
necessário para ter o nome da empresa em maior evidência e atrair o consumidor
que está mais seletivo no momento de gastar seus
recursos.

Se o momento é de retração do mercado, a não expansão dos investimentos de
capital, que está refletido na não elevação da depreciação também se justifica
quando a empresa quer se manter numa posição conservadora e não adotar
políticas agressivas num ambiente pouco favorável.

O leitor poderá imaginar que tais comentários extrapolam a esfera contábil, mas
observe que é a partir de relatórios organizados com dados contábeis que foi
possível observar os fatos e fazer tais considerações. Portanto, recomendamos
não substimar a capacidade informativa de dados contábeis.

4.Balancetes para Finalidades Externas



Os balancetes para finalidades externas, apesar de receberem esse nome, na
verdade, na maioria das vezes tratam-se de balanços de períodos intermediários.
Devem, portanto, ser elaborados na forma tradicional de balanço patrimonial e
demonstração do resultado do exercício ou de qualquer outra demonstração
solicitada, observando-se, nesses casos, a necessidade de identificação do
contabilista responsável com os seguintes dados:

-nome e assinatura do contabilista responsável;

-categoria profissional;

-número de registro no CRC.

5.Relatórios para Clientes de Escritórios de Contabilidade



Os clientes de escritórios de contabilidade podem ser de portes diversos, desde
micro e pequenas empresas até empresas de médio ou grande porte que terceirizam
os serviços contábeis. É comum alguns escritórios de contabilidade se
“especializarem” em determinado seguimento ou tipo de empresa. Há escritórios
que trabalham apenas com micro e pequenas empresas de determinado ramo de
atividade, outros trabalham com empresas de médio porte e há, inclusive,
aqueles que vivem de uns poucos clientes de porte mais elevado, assim como
existem os escritórios que atendem a todo tipo de clientela.

Nesse universo eclético, é difícil estabelecer um modelo padrão de relatórios.
Em alguns casos, será necessário valer-se de modelos por área de
responsabilidade, em outros, um fluxo de caixa feito de forma simplificada irá
surtir mais efeito do que um balancete nos moldes tradicionais.

Vejamos um exemplo:

Saldo de caixa/bancos em 28/02/2X13....................................

R$ 1.200,00

Recebimentos e vendas à vista efetuadas no mês....................

R$ 5.400,00

SOMA..................................................................................

R$ 6.600,00

Pagamentos efetuados no mês:

A fornecedores de mercadorias..............................................

R$ 1.500,00

A
empregados......................................................................

R$ 2.000,00

A prestadores de serviços.....................................................

R$ 500,00

Aos Fiscos Municipal/Estadual/Federal (Tributos)...................

R$ 700,00

Encargos sociais sobre a folha de salários (INSS
e FGTS)......

R$ 690,00

Outros pagamentos.............................................................

R$ 250.00

Soma..................................................................................

R$ 5.640,00

Saldo de caixa/bancos em 31/03/2X13:

Banco
X.............................................................................

R$ 860,00

Caixa.................................................................................

R$ 100,00

SOMA................................................................................

R$ 960,00



6.Conclusão



Os balancetes contábeis devem ser elaborados mensalmente, de acordo com as
normas e os procedimentos. Além de serem úteis para a realização dos trabalhos
internos da contabilidade, os balancetes também são a base para a confecção de
relatórios para diversas finalidades.

Os modelos apresentados neste texto são apenas sugestões e exemplos que podem
ser adaptados e utilizados pelo leitor como ponto de partida de modo que,
mediante avaliação das possibilidades e necessidades em conjunto com clientes
ou chefias e responsáveis pelos diversos setores e departamentos da empresa,
modelos próprios possam ser elaborados.

A confecção de relatórios é uma forma de o contador valorizar seu trabalho e mostrar que a contabilidade é uma
ferramenta bastante útil e indispensável no auxílio à gerência dos negócios.

fonte CENOFISCO




REGISTRO DO COMÉRCIO – Normas ALTERAÇÃO
Demandas da classe contábil para o presidente eleito Jair Bolsonaro
Microempresa: 10 perguntas mais frequentes
SIMPLES NACIONAL TRATAMENTO TRIBUTÁRIO RELATIVO À ALTERAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DO ICMS
Quais empresas estão obrigadas a contratar jovens aprendizes?


Mídia Marketing - 2012
Setor de Programação