Compartilhe:

Entidades pedem redução da incidência da contribuição do INSS sobre folha de pagamento



18/09/2014


Associações que representam diferentes segmentos do varejo estão se unindo para, entre outras demandas, reivindicar a flexibilização na contratação de mão de obra temporária e simplificação de tributos. A criação da União Nacional das Entidades de Comércio e Serviços (Unecs) foi anunciada durante convenção do setor de supermercados em Atibaia, São Paulo. O presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Fernando Yamada, afirma que a pauta tributária e trabalhista foi um dos consensos que uniu, além da Abras, entidades como a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) e a Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), entre outras. Um dos pleitos é a criação de vagas de emprego por curtos períodos de tempo. Yamada ainda defende a redução da incidência da contribuição do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) sobre folha de pagamento de 20% para 15%. O setor supermercadista não aderiu à desoneração da folha de pagamento na regra que substitui a contribuição ao INSS pelo pagamento de taxa de 1% do faturamento. “Não é viável para nós porque vai contra a melhoria da produção e da competitividade”, comentou. A substituição, comentou, deixa de ser interessante na medida em que um custo que era variável e poderia cair com ganhos de eficiência se tornaria fixo. Projeção – Na última terça-feira, a Abras divulgou sua projeção de crescimento para as vendas do setor em 2015. A entidade espera que o setor registre alta de 2,5% no próximo ano, já descontada a inflação. O número é superior aos 1,9% esperados para 2014, mas inferior ao patamar dos últimos anos, principalmente considerando que a base de comparação será fraca. Apesar dos números, Yamada evitou o discurso pessimista. Ele destacou que pesquisas de hábitos de consumo revelam queda na freqüência de visitas das famílias aos supermercados, mas considerou que ainda há oportunidades a serem capturadas. “Nota-se que o consumidor ainda não abre mão de marcas que são importantes para ele, de produtos que considera saudáveis e que apresentam soluções para o dia a dia”, ponderou. Para ele, esse aspecto indica que, apesar da desaceleração do consumo, o Brasil não deve voltar ao patamar de consumo mais fraco que acontecia em anos anteriores ao processo de aumento de renda e crescimento da classe C. (AE)

Fonte: FENACON/Diário do Comércio – MG -




REGISTRO DO COMÉRCIO – Normas ALTERAÇÃO
Demandas da classe contábil para o presidente eleito Jair Bolsonaro
Microempresa: 10 perguntas mais frequentes
SIMPLES NACIONAL TRATAMENTO TRIBUTÁRIO RELATIVO À ALTERAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DO ICMS
Quais empresas estão obrigadas a contratar jovens aprendizes?


Mídia Marketing - 2012
Setor de Programação