Compartilhe:

IMPOSTO DE RENDA 2015



21/01/2015


Governo vai propor ‘alternativa’ a reajuste na tabela do IR 

Congresso aprovou reajuste em 6,5%, mas Dilma vetou texto. Presidente disse que ‘compromisso’ do governo é com 4,5%. 10.03.2015 Filipe Matoso Após participar de reunião com a presidente Dilma Rousseff e senadores da base aliada, o ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Pepe Vargas, afirmou nesta segunda-feira (9) que o governo vai propor ao Congresso Nacional “alternativa” ao reajuste da tabela do Imposto de Renda. Ele, porém, não quis detalhar o que será feito. No início do ano, o Legislativo aprovou o reajuste em 6,5%, mas a presidente Dilma vetou o texto. Em fevereiro, após participar de cerimônia no Palácio do Planalto, ela afirmou que o “compromisso” do governo é com o reajuste em 4,5%, pois o percentual aprovado no Congresso “não cabe no orçamento”. “O mais importante da reunião que eu posso trazer é que houve entendimento de que vai ser construída proposta alternativa para a questão do Imposto de Renda. Essa proposta vai ser discutida, não está confirmada. Será discutida com os presidentes da Câmara e do Senado. Amanhã [terça, 10], tenho uma reunião com os líderes da base na Câmara e a ideia é discutir uma alternativa para a questão do Imposto de Renda”, afirmou Pepe Vargas. Veto do reajuste da tabela Nesta quarta-feira (11), está prevista uma sessão do Congresso Nacional destinada à análise dos vetos presidenciais, inclusive um relacionado ao projeto que faz o reajuste da tabela do Imposto de Renda. “Então, teremos amanhã ao longo do dia um diálogo ampliado”, disse o ministro. Ao anunciar a decisão do governo de enviar proposta ao Congresso Nacional, Pepe Vargas assegurou que procurará os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), além dos líderes, para chegar a um entendimento. Ele admitiu que, se for necessário, a presidente Dilma também os procurará. “O objetivo é que essa proposta [que o governo apresentará] seja construída no diálogo, a questão central é essa. O Congresso Nacional colocou, os senadores e os deputados colocaram isso. O governo está assumindo aqui o compromisso de construir um método de diálogo que construirá uma alternativa à questão do Imposto de Renda”, afirmou. Sobre a proposta ficar entre 4,5% e 6,5%, Pepe Vargas voltou a dizer que consultará Renan e Cunha para negociar o percentual de consenso do governo e do Congresso. “A proposta que será negociada implica em uma tentativa de encontrar algo que faça essa mediação. Eu não vou dizer o que é a proposta, porque ela ainda está sendo construída e a ideia é que os presidentes da Câmara e do Senado sejam ouvidos”, concluiu.

Fonte: G1

A MP 644/14 alterou a Lei nº 11.482/2007 para estabelecer novos valores da tabela de cálculo do Imposto de Renda na Fonte Pessoa Física que entrou em vigor a partir de 1o de janeiro de 2015.

O Imposto de Renda incidente sobre todos os rendimentos de Pessoas Física tais como: SALARIOS,PROLABORE/LOCAÇÕES/INSS(APOSENTADO/PENSIONISTA)ALUGUÉIS/RECEITAS E RENDIMENTOS NÃO ASSALARIADOS DE FRETES, HONORÁRIOS/AUTÔNOMOS/TRANSPORTE/ARRENDAMENTO/SERVIÇOS GERAIS, DENTRE OUTROS, serão calculados  de acordo com as alíquotas da seguinte tabela progressiva, mensal, a saber:

 

TABELA PROGRESSIVA MENSAL A PARTIR DE JANEIRO/2015

BASE DE CÁLCULO MENSAL

ALÍQUOTA

PARCELA A DEDUZIR

 Até R$ 1.868.22

ISENTO

 R$  0,00

De R$ 1.868,23  ate  R$ 2.799,86

7,50%

R$ 140,12

 De R$ 2.799,87  ate  R$ 3.733,19

15,00%

R$ 350,11

De R$  3.733,20  ate R$ 4.664,68

22,50%

R$ 630,10

 Acima de R$  4.664,68

27,50%

R$ 863,33

 DEDUÇÕES ADMITIDAS

a) a quantia de R$ 187,80  por dependente;

b) parcela isenta de rendimentos provenientes de aposentadoria e pensão, até a quantia de R$ 1.868,22 por mês, a partir do mês em que o contribuinte completar 65 anos de idade;

c) as importâncias pagas em dinheiro, a título de alimentos ou pensões, em cumprimento de acordo ou decisão judicial, inclusive a prestação de alimentos provisionais;

d) as contribuições para a Previdência Social da União, dos Estados e do Distrito Federal e dos Municípios;

e) as contribuições para as entidades de Previdência Privada, domiciliadas no País, cujo ônus tenha sido do contribuinte, destinadas a custear benefícios complementares aos da Previdência Social, no caso de trabalhador com vínculo empregatício, de administradores, aposentados e pensionistas.

 

 

Sendo só para o momento, ALERTAMOS para os novos valores de descontos a serem efetuados nos pagamentos a partir de 01/01/2015, e estamos a disposição para os demais esclarecimentos que se fizerem necessários. 

 Atenciosamente,




As multas e penalidades ao não cumprimento do eSocial
Cadastro de Atividade Econômica da Pessoa Física (CAEPF).
RFB divulga instruções para emissão de Darf Avulso para não fechamento completo da folha eSocial
Dispensa de reconhecimento de firma e de autenticação de cópias é aprovada pelo Senado
CADASTRAMENTO DOS FUNDOS ESTADUAIS E MUNICIPAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE


Mídia Marketing - 2012
Setor de Programação