Compartilhe:

Comprometimento:



29/01/2013


Um Importante Diferencial para o Sucesso de Uma Empresa
 
  Na maioria das organizações, se existe uma palavra que é reconhecida como uma   das qualidades mais desejadas e esperadas de seus funcionários, essa é:   comprometimento!
 
  O Dicionário Aurélio apresenta "comprometimento" como a ação ou o   ato de comprometer(se) e, como tal, entre outros, assumir compromisso,   responsabilidade; obrigar-se por compromisso, dar com garantia; empenhar. Há   muito tempo, o comprometimento tomou tamanha dimensão no mundo corporativo   que criaram uma piadinha para exemplificar a diferença entre um funcionário   envolvido e outro comprometido, fazendo uma analogia com as   "contribuições" do porco e da galinha. Enquanto a galinha se   "envolve" dando o ovo para que a omelete seja feita, o porco se   "compromete" dando sua vida para que a linguiça seja produzida.
 
  Brincadeiras à parte, vamos ao que interessa! Será que é possível conseguir   um grau de comprometimento pleno de todos os funcionários de uma empresa?
 
  Particularmente, acho muito difícil, porque as pessoas são diferentes umas   das outras em função de personalidade, atitudes, comportamentos, criação,   educação, meio em que vivem, etc. Todavia, de outro lado, acho que toda   organização poderá conseguir um elevado grau de comprometimento de seus   funcionários através de - entre outras - qualidade de suas lideranças; das   pessoas que fazem parte de sua estrutura; de condições, recursos e processos   de trabalho desenvolvidos; de práticas de remuneração, benefícios, avaliação   e reconhecimento; das condições oferecidas para treinamento e desenvolvimento   de carreira; das demais políticas e práticas adotadas internamente na gestão   dos recursos humanos; da reputação da organização perante a sociedade; e das   condições oferecidas em termos de s egurança e qualidade de vida no âmbito   interno.
 
  Assim sendo, objetivando contribuir com o tema, sintetizarei, nos tópicos a   seguir, aspectos, características e comportamentos organizacionais que   contribuem para viabilizar empresas com alto grau de comprometimento de seus   colaboradores.
 
  I - Em relação às pessoas
 
  As lideranças representam as colunas mestres das relações internas e   constituem a base e o exemplo para os funcionários. Por isso, líderes com   posturas e condutas admiradas tornam-se verdadeiros "combustíveis"   no processo da obtenção do comprometimento dos funcionários.
 
  Adicionalmente, quanto maior for o contingente de funcionários com atitudes e   comportamentos que ressaltam e destacam a educação, a ética, o respeito ao   ser humano, o profissionalismo, a proatividade e a alegria de fazer parte,   maior também será o nível de comprometimento geral.
 
  II - Em relação ao trabalho em si
 
  Disponibilize recursos apropriados para a realização do trabalho, oferecendo   as melhores condições gerais no ambiente interno (acomodações, móveis,   maquinários, tecnologia, limpeza) e desenvolvendo processos e meios (sistemas   integrados, tecnologia, pouca burocracia, controles eficazes, facilidade de   comunicação) que facilitem as atividades do dia a dia. É essencial que o colaborador   perceba o esforço da gestão da organização na viabilização de tais coisas.
 
  III - Em relação a remuneração, benefícios e reconhecimento
 
  Muito embora exista um consenso geral que um bom salário e benefícios   diferenciados não bastam para criar comprometimento, é certo que práticas de   remuneração e benefícios deficientes por muito tempo tendem a desestimular   até os melhores e mais dedicados funcionários. Por isso, é fundamental que a   organização desenvolva mecanismos abrangentes e estimulantes em suas práticas   salariais e de benefícios.
 
  Complementarmente, o reconhecimento é uma fonte que alimenta a autoconfiança   e a autoestima de qualquer profissional e deve fazer parte de toda   organização que quer dispor de equipes motivadas e comprometidas. Se você é   um chefe, supervisor, gerente ou tem qualquer posição de comando, jamais se   esqueça de exaltar e parabenizar seus subordinados em relação a todo trabalho   bem feito!
 
  Lembre-se que o reconhecimento fortalece, alegra, incentiva e motiva sempre!
 
  IV - Em relação aos mecanismos de oportunidades existentes
 
  Se você já trabalhou em uma empresa que não oferece oportunidades para o   desenvolvimento e o crescimento profissional sabe do que estou falando.
 
  As novas gerações não estão mais dispostas a aceitar o comodismo e o   conformismo em suas vidas profissionais.
 
  A organização que quer comprometimento precisa treinar sua gente, incentivar   o estudo, oferecer condições para que todos possam aspirar à perspectiva de   crescimento com chances iguais, sem protecionismos, sem subterfúgios, sem   mecanismos casuísticos para viabilizar a promoção dos "amigos do   chefe".
 
  Se não for possível construir um plano de carreira estimulante e consistente,   estruture e divulgue os valores que a organização acredita e pratica, os   quais devem ser seguidos por todos e que representam premissas para o   crescimento individual.
 
  V - Em relação às práticas e políticas em geral
 
  Como sua empresa é reconhecida pelo mercado em geral? Pelas pessoas? Na   comunidade? Nos vários círculos de relacionamentos de seus integrantes?
 
  Encontre meios de obter respostas a essas questões. Talvez você se surpreenda   - positiva ou negativamente, é verdade - porém é mais uma forma de saber o   que pode ou precisa ser melhorado na imagem da organização e também de   fortalecer os vínculos de comprometimento dos funcionários (quando a imagem é   positiva).
 
  E no que se refere às várias características que são enaltecidas diariamente   na gestão das pessoas? Elas são percebidas pelos funcionários como saudáveis   e coerentes? Jamais se esqueça de que os colaboradores de hoje - em todos os   níveis - conseguem perceber quando as práticas emanadas pelos superiores na   gestão das pessoas não refletem o que se espera de uma boa organização.
 
  Incentive a diversidade (de raça, cor, formação, experiência pessoal,   profissional e cultural, credo religioso, etc.), pois ela contribui para o   desenvolvimento individual, fortalece a perspectiva de relações interpessoais   mais consistentes e maduras, aprimorando as relações humanas e contribuindo   na formação e preparação de profissionais cada vez mais comprometidos.
 
  VI - Em relação à qualidade de vida
 
  Os últimos anos têm sido marcados por uma preocupação cada vez maior em   relação ao desenvolvimento de formas e mecanismos que possam conciliar os   vários contextos da vida de qualquer pessoa (pessoal, familiar, afetivo, profissional e espiritual), de modo que   cada um desses contextos apresente um equilíbrio harmonioso com os demais e   traga o bem estar no dia a dia de todo profissional.
 
  A organização que quer gente comprometida precisa desenvolver uma consciência   coletiva interna de que o homem necessita estar integrado a um conjunto   harmonioso de contextos que fazem parte da vida de qualquer ser humano. Nessa   direção, vale a pena destacar a menção de Alberto Ogata e Ricardo de Marchi   no livro "Wellness - Seu guia de bem-estar e qualidade de vida":
 
  "Em nenhum momento, podemos nos esquecer de que somos
 
  parte do universo e nossa presença, como pessoa, ser político,
 
  pai ou mãe, irmão ou irmã, ou mesmo como amigo, faz toda a
 
  diferença. Não somos só um número, um RG, mas um indivíduo
 
  único e especial. Ninguém consegue viver bem sem acreditar
 
  que pertence a algo maior e mais permanente do que a simples
 
  existência. Tocarmos o dia-a-dia como robôs, com uma rotina
 
  sem sentido, não dá significado à nossa vida".
 
  Mais e mais, os gestores de empresas vitoriosas descobrem e amadurecem a   consciência de que saúde e qualidade de vida de sua gente estão intimamente   ligadas em quatro dimensões: física, emocional, social e espiritual. É,   portanto, essencial, desenvolver condições internas para que seus   colaboradores possam adquirir e expandir conhecimentos para saber lidar com   essas quatro dimensões em suas vidas.
 
  Para finalizar, é preciso estar ciente de que os modelos de gestão   tradicionais estão exauridos e que tantas técnicas de administração   vitoriosas no passado não são mais suficientes para garantir o sucesso de um   empreendimento. Não existem fórmulas mágicas, até porque a gestão empresarial   também não é uma ciência e muito menos exata. Todavia, não podemos "ver   o circo passar" e nada fazermos!
 
  Comprometimento - em maior ou menor grau - é uma qualidade de todo ser   humano. O grande desafio dos   gestores do presente e do futuro é saber encontrar as formas ideais para   conseguir isso de todos.
 
  Pense nisso! Valerá a pena! Sua empresa só tem a ganhar!
 
 FONTE

autor: Carlos Alberto Zaffani
 
  Consultor de Empresas, Administrador e Contador - Diretor da Zaffani Assessoria Empresarial
 
 
 




REGISTRO DO COMÉRCIO – Normas ALTERAÇÃO
Demandas da classe contábil para o presidente eleito Jair Bolsonaro
Microempresa: 10 perguntas mais frequentes
SIMPLES NACIONAL TRATAMENTO TRIBUTÁRIO RELATIVO À ALTERAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DO ICMS
Quais empresas estão obrigadas a contratar jovens aprendizes?


Mídia Marketing - 2012
Setor de Programação