Compartilhe:

Direitos dos Trabalhadores Domésticos e a Emenda Constitucional 72



20/08/2013


Os trabalhadores urbanos e rurais e os trabalhadores avulsos foram igualados pela Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 05/10/1988. Porém, o texto original preteriu os empregados domésticos nessa ousadia de igualar os trabalhadores.

Veja que o caput do art. 7º usa a nomenclatura dos movimentos sindicais, muito fortes naquele momento. Eis que colhiam os louros das grandes mobilizações e greves que derrubaram a ditadura e moveram o País na direção da democracia. O uso em particular da palavra "trabalhadores" foi no mínimo inusitada, provocando o seguinte comentário de Celso Ribeiro Bastos: "a expressão trabalhador é bastante ampla e imprecisa" - Comentários a Constituição Federal do Brasil, 2º Vol., 1988, Ed. Saraiva, pág. 403.

A plenitude de igualdade no tratamento constitucional foi dada aos trabalhadores urbanos e rurais, ao trabalhador com vínculo empregatício permanente e ao trabalhador avulso. Entretanto, modificou-se a proteção do Constituinte quando considerou o caso dos trabalhadores domésticos, pois estes não foram tratados com igualdade plena.

O entendimento de que o trabalhador doméstico não executa atividade laboral aproveitada com fim lucrativo leva à sua distinção e à separação em relação aos demais trabalhadores.

Emenda Constitucional nº 72 - O equívoco constitucional de 1988, que agora poderia ser sanado pela Emenda Constitucional nº 72/13, dando ao trabalhador doméstico o tratamento fundado no princípio da igualdade, que foi devotado aos demais obreiros, corre sério risco de, na regulamentação, sofrer subtração, mais uma vez, de direitos de igualdade a esses trabalhadores.

Vale lembrar que um motorista particular sofre no trânsito as mesmas agruras que um motorista de empresa, seja fazendo entregas seja conduzindo pessoas. Da mesma forma, a empregada doméstica que faz a limpeza de uma casa desenvolve trabalho semelhante ao da faxineira de uma empresa conservadora, de modo que o desgaste corporal é similar, carecendo, portanto, do mesmo nível de proteção.

Sendo, pois, o desgaste corporal do empregado doméstico o mesmo do empregado celetista, a Constituição Federal deve passar a regular a atividade laboral a partir da condição particular do empregado para definir seus direitos e garantias a fim de não gerar distorções em relação à proteção física do ser humano. É o caso sim de considerar a condição do trabalhador para definir a proteção que lhe é devida. E, sendo assim, contemplar todos com a proteção da CLT.

Lançando um olhar no processo histórico que gerou os direitos trabalhistas, facilmente se constata que toda a luta dos trabalhadores e sua organização em sindicatos decorreu do extremo sofrimento imposto a esses trabalhadores no início da revolução industrial. O reconhecimento dos direitos trabalhistas sobreveio para proteger o corpo desses trabalhadores contra a excessiva exploração, evitando, desta forma, que seu único meio de produção, o próprio corpo com sua força de trabalho, fosse retirado dele.

Assim, quando a Emenda Constitucional nº 72 acrescenta aos empregados domésticos direitos que não estavam previstos no parágrafo único do art. 7º da CF/88, eles ainda não igualam, mas aproximam os empregados domésticos dos demais trabalhadores. Esses direitos são: VII (garantia de salário não inferior ao mínimo legal), X (proteção do salário contra retenção dolosa), XIII (direito à fixação da jornada de trabalho), XVI (pagamento de horas extras), XXII (redução de riscos da atividade), XXVI (reconhecimento de convenções e acordos coletivos), XXX (proibição de diferença de salários em funções semelhantes), XXXI (proibição de discriminação) e XXXIII (proteção a adolescentes).

A melhor solução para a proteção do corpo humano do trabalhador doméstico seria a revogação do parágrafo único de modo que o trabalhador doméstico seria imediatamente incorporado na condição de trabalhadores urbanos, rurais e avulsos, sendo imediatamente incorporados a ele os direitos plenos da CLT.

Enquanto os congressistas brasileiros continuam tímidos no trato da matéria, que ao menos aquilo que se lhes concedeu seja regulado pela CLT.

Certamente que o reconhecimento de Convenções Coletivas e Acordos Coletivos irá fortalecer muito os sindicatos de empregados domésticos, abrindo possibilidade para, no uso de tais instrumentos jurídicos, incorporar direitos a esses trabalhadores, fortalecendo as lutas e a mobilização para mais adiante garantir a plenitude de direitos aos trabalhadores domésticos que, como seres humanos, precisam da mesma proteção corporal que quaisquer outros trabalhadores.

Autor: Wagner Dias Ferreira - Advogado e Membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB/MG








 




REGISTRO DO COMÉRCIO – Normas ALTERAÇÃO
Demandas da classe contábil para o presidente eleito Jair Bolsonaro
Microempresa: 10 perguntas mais frequentes
SIMPLES NACIONAL TRATAMENTO TRIBUTÁRIO RELATIVO À ALTERAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DO ICMS
Quais empresas estão obrigadas a contratar jovens aprendizes?


Mídia Marketing - 2012
Setor de Programação